Monthly Archives: Fevereiro 2009

Caem ao mesmo tempo…na Lua. E na Terra?

Em 1971 os atronautas realizaram uma experiência fascinante (entre outras). Deixaram cair um martelo de metal e uma pena de falcão da mesma altura. Vejam como foi,

Eiiiiiiii! Caíram ao mesmo tempo.

Se realizares esta experiência cá, na Terra, qual chegará primeiro: o martelo ou a pena?

Anúncios

Propagação do som

O som é energia que se propaga nos meios materiais. A seguinte simulação mostra como se faz esta propagação através de variações de pressão.

vsom901

Créditos: http://br.geocities.com/saladefisica5/leituras/vsom.htm

Mas a velocidade de propagação depende do meio. Vejam as situações em que se comparam as velocidades de propagação do som no ar, água e no granito.

vsom201

Créditos: http://br.geocities.com/saladefisica5/leituras/vsom.htm

Ultrapassar a barreira do som no ar

Quando um avião ultrapassa a velocidade do som no ar (v = 340 m/s) observa-se uma variação de pressão na atmosfera e ouve-se um estrondo sónico.

Viagem à Lua

Para desafio proponho-vos que escrevam, como comentário, nomes utilizados no filme do Tintin que desconheçam o significado. Vamos lá alunos toca a trabalhar.

Ai que eu vou caiiiiiiiiirr

Olhem só o pânico da Mafalda, e como ela resolveu o medo de cair no abismo do espaço!

Mas qual é a explicação para o facto de tudo estar a ser puxado para a Terra?

Teremos de começar a investigar desde o príncipio. Os gregos acreditavam que a explicação estava no comportamento natural dos quatro elementos: Ar, Fogo, Água e Terra.

O Ar e o Fogo subiam, eram voláteis. A Água e a Terra caíam naturalmente para o chão. Esta explicação é sensorial, isto é, os nossos sentidos justificam assim o comportamento de tudo o que nos rodeia.

Até que, no Sec. XVII, Sir Isaac Newton encontrou uma melhor explicação para o comportamento dos corpos.

“Os corpos atraem-se mutuamente”

E chegou à seguinte relação matemática: F α 1/d²

O valor da força de atracção entre os corpos é inversamente proporcional ao quadrado da distância entre os seus centros.

Por enquanto, como primeira abordagem, podemos generalizar esta interacção entre corpos e chamar-lhe: Força gravítica ou Peso.

Para desafio proponho-vos o seguinte: Desenhem uma circunferência com o seu centro, depois representem, através de um desenho simples, uma pessoa em duas posições diametralmente opostas. Agora, a partir do centro da pessoa, desenhem uma seta, para representar o peso da pessoa, com as seguintes características: dirigida para o centro da circunferência e com o mesmo tamanho em ambas as situações. Descubram as características desta seta (que representa o peso da pessoa).

Para estimular o estudo

UHF – “Cavalos de Corrida”

Campo Magnético Terrestre

O campo magnético da Terra tem dois pólos magnéticos, um no ártico canadiense, estipulado como o pólo norte magnético, e um ao largo da costa da Antártida, ao sul da Austrália , referido como o Pólo Sul magnético.
O Pólo Norte magnético sempre a mover-se no Ártico canadiense. Os Canadienses mantém registo destas alterações no pólo magnético porque realizam periodicamente levantamentos magnéticos para reformulação da  localização do Pólo. O mais recente levantamento, concluído em Maio de 2001, determinou uma posição actualizada para o Pólo, e estabeleceu que se está a afastar para Noroeste a 40 km por ano. A situação observada em 2001 permitiu fazer estimativas para os anos de  2002 a 2005. As  posições são dadas na tabela:
Ano Latitude ( °N) Longitude ( °W)
2001 81.3 110.8
2002 81.6 111.6
2003 82.0 112.4
2004 82.3 113.4
2005 82.7 114.4
nmplocation
Localização no mapa do PNM em 2001
Não vos quero alarmar mas o campo magnético terrestre inverte a sua polaridade.
Desde há 330 milhões de anos que ocorrem estas inversões. Durante este período já ocorreram mais de 400 inversões, aproximadamente uma a cada 700.000 anos, em média. No entanto, o tempo entre cada inversão não é constante, variando de menos de 100.000 anos, para dezenas de milhões de anos. Nos últimos anos as inversões foram ocorrendo em média uma vez a cada 200.000 anos, mas a última inversão ocorreu há 780.000 anos atrás. Nessa altura, o campo magnético sofreu uma inversão para o seu estado actual.